Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos

Acesso ao Extranet

Pirelli: jogos de pneus selecionados por piloto para o GP do Bahrein28/03/2018

Milão, 28 de março de 2018 – O visual clássico que esconde um interior completamente moderno. Como o resto da gama Pirelli Collezione para carros históricos de prestígio, o novo pneu Stelvio Corsa, criado especificamente para o Ferrari 250 GTO, mantém uma aparência clássica, incorporando tecnologia de ponta.

Este nome clássico da história da Pirelli foi ressuscitado para seu mais recente pneu, em comum acordo com a Ferrari. No renascimento do Rally Histórico Coppa Milão-Sanremo, onde a Pirelli é uma parceira, o pneu recém-criado para o Ferrari 250 GTO será mostrado ao público pela primeira vez. Este é um carro que quebrou todos os recordes anteriores em 2014, já que uma unidade foi vendida em leilão por mais de 38 milhões de dólares.

A Pirelli irá exibir vários dos seus pneus da gama Collezione no Paddock Club em Monza, na Itália, onde o Rally Histórico Coppa Milão-Sanremo irá começar. Além do novo Stelvio para o 250 GTO, o Cinturato CN72 para a Maserati, bem como o P7 e CN36 para a Porsche também serão expostos.

O Stelvio é o mais recente pneu de renome da família Pirelli Collezione, que serve para alguns dos carros mais desejáveis do mundo, construídos entre 1950 e 1980, ajudando-os a manter originalidade perfeita. O projeto da banda de rodagem e a parede lateral são semelhantes aos pneus de época, mas o charme vintage esconde o estado da arte da tecnologia. Graças à utilização dos compostos mais recentes e avançados, os pneus da gama Pirelli Collezione oferecem melhor aderência e estabilidade em superfícies molhadas, garantindo elevados níveis de segurança e confiabilidade, sem comprometer o estilo clássico. Durante o processo de desenvolvimento dos pneus, os engenheiros da Pirelli utilizaram os mesmos parâmetros que os desenhistas dos carros da época trabalharam. Isso tudo para complementar perfeitamente a suspensão original e as características mecânicas. O resultado alcançado combina desempenho, estilo e originalidade. Imagens arquivadas pela Pirelli Fondazione também foram usadas, buscando o desenho correto, enquanto a produção destes pneus especializados usa técnicas sob medida semelhantes aos utilizados no automobilismo.

 

O Stelvio Corsa

Faça uma viagem de volta para a história. O piloto era Alberto Ascari e o carro era um Ferrari 500 com pneus Pirelli Stelvio. Em 1952 e 1953, o piloto milanês conquistou dois títulos mundiais consecutivos no então recém-criado Campeonato Mundial da Fórmula 1, colocando a parceria Ferrari-Pirelli no topo do mundo. No ano seguinte, Maurice Trintignant e Froilan Gonzalez venceram as 24 horas Le Mans em um Ferrari 375 Plus: mais um triunfo para o Stelvio Corsa.

Durante estes anos, a Pirelli tinha o costume de batizar alguns dos seus pneus com o nome de algumas partes mais famosas dos Alpes. Os produtos Rolle e Sempione nasceram após a segunda guerra mundial, mas foi o Stelvio, disfarçado de Corsa, que representava o produto mais orientado para o desempenho até meados da década de 1960. Por isso foi uma decisão fácil trazer este nome de uma lenda do passado de volta quando a Pirelli decidiu criar um pneu dedicado para o Ferrari 250 GTO, o carro clássico mais caro do mundo.

Os engenheiros da Pirelli trabalharam com os desenhos originais, fornecidos pela Pirelli Fondazione, para produzir um pneu com o visual clássico do carro icônico para o qual estava destinado. O respeito ao meio ambiente também foi garantido – graças a um composto livre de óleos aromáticos –, bem como de desempenho, com uma estrutura interna derivada da experiência da Pirelli no automobilismo. O tamanho do pneu para o 250 GTO é 215/70 R15 98W na frente e 225/70 R15 100W na parte de trás. Nenhum outro tamanho está disponível, e nenhum outro carro pode usar o Pirelli Stelvio Corsa. Só o Ferrari 250 GTO.

Cinturato CF67/CA67

Na metade da década de 1950, um pneu com estrutura radial foi introduzido, com um padrão cruzado das cintas. A função estabilizadora delas impediu que o pneu se deformasse, não importando quão duras fossem as condições de condução. A aderência foi aumentada consideravelmente e o desgaste foi reduzido em mais da metade, em comparação com a geração anterior de pneus com lonas cruzadas.

O uso de uma cinta especial, reforçada pela concepção de novos perfis e padrões de desenho da banda, levou a melhora da aderência. Patenteado em 1951 e lançado no mercado na metade da década de 1950, o Pirelli Cinturato manteve o desenho clássico '367' que se tornou famoso em todo o mundo por mais de uma década. Em 1966, este projeto da banda de rodagem foi batizado com a sigla CF67/CA67.

Este nome é derivado das 67 licenças que foram concedidas pela Pirelli para os mais importantes produtores de pneus em 25 países. O CA67 foi o primeiro pneu radial têxtil a ser avaliado com um código de SR, significando que era bom para uso em até 180 km/h. A banda de rodagem foi projetada com canais separados, saindo quatro sulcos longitudinais principais, com um padrão distinto e muita drenagem, enquanto o composto é igualmente resistente à abrasão e altas temperaturas. Em meados da década de 1960, o Pirelli Cinturato foi o ponto de referência para a maior parte da indústria automotiva global.

Cinturato CN72-CN73

A crescente especialização dentro do mundo automotivo a partir de meados da década de 1960 levou à introdução dos pneus com a marcação HR (até 210 km/h). Foram desenvolvidas novas versões do Cinturato, rotuladas H e HS (High Speed), diferenciadas por um padrão da banda CN72, que também garantia um passeio tranquilo e confortável. Introduzido em 1966, o CN72 equipou toda a gama da Ferrari (GT 250, 400 Superamerica e 275 GTB) assim como o Maserati 4000 e 5000. No ano seguinte, foi adotado pela Lamborghini para o 350 GT, 400 GT e Miura.

Em 1969 foi criado o primeiro pneu de perfil baixo, chamado GR70 VR 15 (225/70 VR 15), que foi escolhido pela Ferrari para o 365 GT e GTB, assim como pela Lamborghini para o Miura e Jarama e a Maserati no Ghibli, Quattroporte, Mistral e México. A próxima evolução do CN72 foi o CN73.

No final da década de 1960, após muitos anos de estudos e experimentos, começou uma nova era tecnológica com o uso de correias de aço em pneus de alta performance para a série HR e VR (disponível para velocidades acima de 210 km/h).

Cinturato CN36

Em 1968, o Cinturato CN36 foi feito especialmente para o Fiat Dino, na especificação 185 HR 14. Ele foi projetado para atender todas as exigências de alta performance e grand turismo, e foi o primeiro pneu radial com aço à venda. Este pneu também marcou o retorno do Pirelli aos ralis, acumulando inúmeras vitórias. O pneu foi descrito como sendo "suave em baixas velocidades e preciso em altas" com um desenho que significava que obstáculos eram superados mantendo a aquaplanagem sob controle. Este foi um pneu HR com diversas características técnicas importantes que, em poucos anos, aumentou a gama da Série 70, destinada a modelos BMW, bem como os tamanhos de 13 polegadas, que equipavam o Fiat 124 Sport em 1971. Esta combinação vencedora – o pneu Fiat 124 Sport e CN36 – iniciou a longa história da Pirelli no topo dos ralis internacionais.

Cinturato CN12

Enquanto o Cinturato CN72 atendeu todos os tamanhos padrão de alto perfil, com um intervalo que, no início da década de 1970, passou de 175 HR 13 para 235 VR 15, aumentou a disponibilidade de tamanhos de perfil baixo com o lançamento da Série 60 (245/60 VR 14 e 255/60 VR 15) bem como os tamanhos de novos na Série 70 (205/70 VR 14 e 215/70 VR 15). O padrão da banda de rodagem do CN12 foi criado especificamente para estes novos tamanhos e equipou modelos como o Lamborghini Miura P400, Jarama, Urraco e o Maserati Bora.

Cinturato P7

O Pirelli P7 estava disponível para compra a partir de janeiro de 1976 como um pneu de estrada, mas ele já tinha marcado presença no Campeonato Mundial de Rali de 1974, com o Lancia Stratos. Conhecido como o Supersport, este novo pneu radial trouxe algumas inovações-chave para o mundo dos pneus de competição, tais como o perfil ultrabaixo da Série 50.

O desenvolvimento de pneus de perfil baixo que Pirelli começou com o Cinturato CN72, CN12 e CN36, entre o final da década de 1960 e início da década de 1970, seguiu adiante com o P7. Da mesma forma que o automobilismo levou à criação da Série 50 para modelos de estrada, os P7 usados na competição também rapidamente abriram o caminho para pneus para uso diário de perfil ultrabaixo até a Série 30. O pneu P7 de carro para uso nas ruas foi usado pela primeira vez pelo Porsche 911 Carrera Turbo, seguido em 1976 pelo Lamborghini Urraco e Countach, bem como o De Tomaso Pantera. Além disso, o Pirelli P7 utilizou-se para a homologação do carro para uso diário do premiado Fiat 131 do Campeonato de Rally no tamanho de VR 15 195/50.

Cinturato P5

A Jaguar também desempenhou um papel importante no desenvolvimento de uma nova série de pneus. Em 1976, a montadora pediu à Pirelli para desenvolver especificamente o P5. O novo pneu colocou exclusivamente o foco na excelência técnica dos carros de luxo da Jaguar, bem como seu conforto, dirigibilidade e qualidade.

Em 1979, o Pirelli P5 foi oficialmente homologado em tamanho de 205/70 VR 15 em todos os modelos Jaguar indo do XJ6 para o XJ12 e até o XJS. Seguindo sua opção, vieram atrás a Lancia com o Gamma (saloon e o coupé), bem como a Alfa Romeo com o Alfetta 2.0 e o GTV. Juntamente com o P7 de “corrida” e o “esportivo” P6, o P5 completou a família de pneus Pirelli largos com perfil ultrabaixo da década de 1970 em diante.

Facebook  @pirellibrazil      Twitter  @Pirelli_Br      Instagram  @pirelli_br


voltar


Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos Todos os direitos reservados @2013

by contactonet