Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos

Acesso ao Extranet

Pirelli: Preview do Grande Prêmio do Japão02/10/2017

Milão, 25 de setembro de 2017 – Suzuka, um circuito épico e da velha guarda, é conhecido por ser um dos maiores desafios para os pneus no calendário, graças às altas cargas de energia a que são submetidos. Mesmo assim, pela primeira vez a Pirelli não levará seu pneu mais duro para o Japão. Os compostos selecionados são o P Zero Branco médio, o P Zero Amarelo macio e o P Zero Vermelho supermacio. Eles terão que lidar com curvas extensas e velozes, como a 130R, que proporciona a mais longa carga contínua de Força G do ano, e a Spoon, que colocam os pneus sob constante pressão. Com voltas de corrida até cinco segundos mais rápidas que as registradas em 2016, um grande salto também é esperado em Suzuka. Uma vasta gama de opções de estratégias está disponível. A questão é encontrar a que ofereça o melhor equilíbrio entre performance e durabilidade.

Os três compostos selecionados

O circuito do ponto de vista do pneu

  • Forças laterais ao longo das curvas são o principal elemento, mais do que tração ou frenagem.
  • O clima e a temperatura da pista são fatores imprevisíveis nesta época do ano.
  • Geralmente, há altos níveis de uso e degradação. A estratégia vencedora no ano passado foi de duas paradas, com táticas variadas.
  • As equipes normalmente acertam os carros com altos índices de pressão aerodinâmica, para ajudar nas curvas.
  • A pista é estreita, o que dificulta as ultrapassagens. A estratégia pode fazer a diferença.
  • É difícil prever a evolução da pista. A entrada de safety cars pode ser outra variável.

Mario Isola, líder de competições de veículos da Pirelli: "O Grande Prêmio do Japão continua com a tendência que vimos até agora de trazer pneus mais macios, e, portanto, mais rápidos, para uma série de corridas na comparação com a última temporada. No caso de Suzuka, isso é particularmente pertinente, uma vez que é uma das pistas mais desafiadoras para os pneus. As altas cargas laterais podem causar degradação térmica se os pneus não forem bem administrados. Essa é também uma das razões pelas quais os pilotos gostam tanto de Suzuka. Com os carros passando pelas curvas bem mais rápido este ano, graças ao novo regulamento e aos pneus mais largos, é bem possível que vejamos mais um recorde de pista cair, além de cargas máximas de Força G realmente impressionantes.

O que há de novo:

  • Pela primeira vez, os pneus duros não serão levados para o Japão.
  • A McLaren fez a seleção de pneus mais agressiva, escolhendo mais pneus supermacios do que qualquer outra equipe.

Pressões mínimas para a largada na Bélgica

22,5 psi (pneus dianteiros) e 20,5 psi (pneus traseiros)

 

 

Limites de cambagem

-3,00º (pneus dianteiros) e -1,75º (pneus traseiros)

 

 

Pneus selecionados até o momento

Facebook  @pirellibrazil     Twitter  @Pirelli_Br     Instagram  @pirelli_br

 

 

 


voltar


Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos Todos os direitos reservados @2013

by contactonet